Connect with us
Banner Samar Eco

FUTEBOL

Saiba tudo sobre a cerimônia de abertura da Copa do Mundo da Rússia

Ronaldo Fenômeno, Robbie Williams e Aida Garifullina são as atrações da festa inicial do Mundial

Publicado

em

A cerimônia de abertura da Copa do Mundo acontecerá na próxima quinta-feira (14), pouco antes da partida entre Rússia e Arábia Saudita, e contará com três estrelas internacionais que irão encantar os torcedores no Estádio Luzhniki, em Moscou.

Trata-se da estrela britânica Robbie Williams e da famosa soprano russa Aida Garifullina, que vão misturar ritmos numa dobradinha diferente. Além deles, participará da festa a lenda do futebol Ronaldo Fenômeno, bicampeão da Copa da Fifa com o Brasil.

“Estou muito feliz e animado para voltar à Rússia para uma performance tão única. Fiz muitas coisas na minha carreira, mas abrir a Copa do Mundo para 80 mil torcedores no estádio e muitos milhões em todo o mundo é um sonho de infância”, disse Robbie Williams.

A cerimônia inaugural da Copa do Mundo da FIFA 2018 terá um formato um pouco diferente em relação às edições anteriores do evento. Desta vez, a cerimônia se concentrará nas apresentações musicais e acontecerá muito mais perto do pontapé inicial; apenas meia hora antes do início do jogo, que está marcado para às 18:00 da hora local (12h de Brasília).

Claro, uma coisa permanecerá a mesma: o tema básico que consiste em honrar não só o futebol, mas também o país anfitrião; nesta ocasião, através de uma performance comovente de uma das vozes mais aclamadas da Rússia, Aida Garifullina.

“Eu nunca imaginei que eu seria parte desta grande festa, a Copa do Mundo, e que isso iria acontecer no meu país”, disse a solista do Vienna State Opera.

“O jogo inaugural é sempre muito simbólico; é nesse instante que você percebe que o grande momento que você esperou por quatro anos, como jogador ou fã, finalmente chegou. Ninguém sabe o que vai acontecer nas quatro semanas do campeonato, mas todo mundo tem certeza de que será memorável “, afirmou Ronaldo.

A produção do show será realizada pelo canal russo Channel One e, mais uma vez, será dirigida por Felix Mikhailov, a mente criativa que tem feito parte das principais cerimônias realizadas durante a viagem da Copa do Mundo de 2018; do sorteio preliminar em 2015 até a cerimônia de encerramento antes do final de 15 de julho.

“Temos o prazer de apresentar um novo formato para as cerimônias de abertura e encerramento da Copa do Mundo da FIFA, em termos de duração e hora de início, mais perto do pontapé inicial”, disse Mikhailov.

“Ao mesmo tempo, a ação se estenderá além do estádio, abrangendo a cidade e os arredores de Luzhniki. A cerimônia de abertura será co-dirigida por minha amiga Ilya Averbukh, que trouxe uma nova cor ao show no campo. E, claro, nosso evento será sobre futebol e amor”, acrescentou.

Deixe sua opinião

NOTÍCIAS AO MINUTO

bastidores da TV

Jornalista relata ter sido vítima de machismo na Globo; confira

Publicado

em

jornalista Mayra Siqueira, que trabalhou nas rádios CBN e Globo, no canal SporTV e no site Globoesporte.com, relatou em sua conta no Twitter que foi vítima de machismo durante o período em que trabalhou no Grupo Globo.

No desabado, Siqueira citou nomes e incluiu alguns figurões do jornalismo da Rede Globo, como, por exemplo, o narrador Cleber Machado.

“O Cleber Machado, quando em finalmente ganhei um teco da sua confiança (levaram 2 anos e meio de Seleção pra isso), me disse que acha nada ver isso de mulher narrar, porque não é uma coisa que orne muito. Eu sorri e entendi que esse aí não vai mudar de ideia, e td bem. Antes disso, ele fez questão de tentar massacrar meu argumento em infinitas vezes nos programas. Motivo aparente? Mulher, novinha. Passou e, depois de alguns chás de aeroporto ao lado dele, cantamos juntos Elis Regina no caminho pro estúdio. Esse dia foi fera”, escreveu Mayra.

A jornalista também falou sobre o ex-técnico Muricy Ramalho, que hoje é comentarista do canal SporTV.

“Já ouvi 2 vezes em coletivas ao vivaço do Muricy “você sabe muito de futebol, né?” (insira tom irônico). Na primeira, fiquei arrasada. Na segunda, virei notícia e fui defendida nos programas. Ele nunca se abalou e, anos depois, fizemos programas de TV juntos na mesma bancada”, acrescentou.

Mayra também citou Tite. Segundo ela, o treinador da seleção brasileira foi deselegante ao responder a uma pergunta, mas logo se retratou.

“O Tite um dia me deu uma resposta levemente grosseira e que soou machista. Na resposta seguinte, interrompeu o que dizia a outro repórter pra pedir desculpas. “Poderia ser minha filha aqui””, disse a jornalista, que também falou sobre o jogador Dagoberto.

“O Dagoberto, no meu primeiro ano de repórter de campo, passou reto por mim ignorando minha pergunta. O Fernando Fernandes, da Band,  parou ele na sequência e disse ao vivo “já que você não respondeu a pergunta da moça, eu vou repetir”. ele repetiu, é o Dagoberto respondeu”, contou.

Além dos relatos, Mayra reforçou que o ambiente do jornalismo esportivo ainda é machista.

“O meio de imprensa esportiva é uma merda pra mulheres, ainda. E ainda bem que tá se enchendo de ~feminista chata~. Vcs não fazem ideia do que é saber que cada mulher que chega é “carne nova” na visão dos jornalistas homens, que acham ok e normal ir pra cima feito urubu”, disse ela, que também ponderou.

“Tem muito cara incrível e decente no jornalismo esportivo, e guardo vários como grandes amigos. Outros que são só aqueles “tiozoes incorrigíveis” que você tolera. E outros que você cumprimenta por educação”, finalizou.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

FUTURO

Com adesão de montadoras, F-E pode diminuir proximidade com fãs

Acesso a pilotos por parte dos fãs, até o momento, é uma característica da competição

Publicado

em

© Eric Gaillard/Reuters

Os sinais de que a Fórmula E é uma categoria jovem que está buscando promover seu evento de maneira diferente de outros campeonatos do automobilismo estão por todos os lados. No Reino Unido, por exemplo, a transmissão é feita por YouTubers, e, na pista, o acesso aos pilotos é facilitado, e jornalistas inclusive podem caminhar dentro dos boxes, algo totalmente impensável na sisuda e cheia de regras Fórmula 1.

Tanto que a declaração recente do chefe da Mercedes, Toto Wolff, que disse não saber se a categoria era “uma competição ou um evento” não causou mal-estar algum. Afinal, ouvidos pela reportagem no Marrocos, palco da segunda etapa da temporada, o CEO da F-E, Alejandro Agag, e a chefe da equipe Venturi e esposa de Toto, Susie Wolff, afirmaram com tranquilidade que a categoria tem, sim, o entretenimento como um grande foco.

“Diria que somos show e competição. E estou muito contente com essa definição. Temos muito orgulho do nosso evento, porque dizemos que a Fórmula E é mais do que um evento. Quero criar um movimento consistente para carros elétricos e isso é um evento”, defende o espanhol.

“Se queremos crescer no mundo moderno, temos de ser um show, temos de ser entretenimento. Sempre vão haver aqueles fãs de automobilismo que querem ver corrida, mas para atingir um público maior, temos de ser um show”, completa Susie.

Nesse sentido, não é coincidência que a Fórmula E só tenha etapas em destinos turísticos, faça as provas aos sábados -com classificação e corrida no mesmo dia, diferentemente das atividades da F-1, que duram três dias- e aproveite a falta do ruído dos motores para se apresentar como um evento para toda a família. A ideia central de tudo isso é promover mais do que uma corrida em si, mas uma experiência.

Todo esse clima de grande acessibilidade, contudo, está diminuindo a cada dia, segundo quem trabalha na categoria. E tudo tem a ver com seu próprio crescimento. A partir do momento que mais e mais montadoras começaram a se interessar pelo esporte e usá-lo como plataforma de desenvolvimento para seus carros, o controle de informações e circulação começou a caminhar para o que a Fórmula 1 acabou se tornando.

E esse é um fenômeno difícil de conter, como Lucas Di Grassi, que está na F-E desde seu nascimento, afirmou à reportagem. “Quando o custo unitário de uso por quilômetro caiu e começou a ficar perto do carro com motor a combustão, os governos começaram a pressionar porque o carro elétrico é muito melhor, não apenas pela questão da emissão de CO2 e do aquecimento global, mas principalmente pelo nível de emissão dentro das cidades. E as montadoras começaram a ver também que esse era o caminho e chegamos a esse momento em que temos mais montadoras na F-E do que a soma da F-1, Nascar e Indy. É interessante o quão rápido foi essa mudança. Ninguém esperava que fosse tão rápido.”

Apesar dos tempos de maior acessibilidade de uma categoria nova parecerem estar contados, pelo menos uma característica a F-E nunca vai perder -para o bem ou para o mal, dependendo do ponto de vista. “Fui no GP de Mônaco da F-1 e nunca mais voltei porque foi horrível, era muito barulho”, revelou a atriz Elizabeth Hurley, convidada na etapa do Marrocos. “Não sabia o que esperar porque não me interesso nem um pouco em carros, mas só de não ter o barulho já é bem melhor.”

O e-Prix de Marrakesh foi vencido por Jerome D’Ambrosio, que lidera a temporada depois de duas etapas. A corrida não foi boa para os brasileiros: Lucas Di Grassi foi o 7º, Nelsinho Piquet, o 14º, e Felipe Massa, 18º, o último colocado. Com informações da Folhapress.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

RENOVAÇÃO

São Paulo anuncia contratação da atacante Cristiane para o feminino

A jogadora chega para integrar a nova equipe feminina do time do Morumbi

Publicado

em

© saopaulofc.net

O São Paulo anunciou nesta segunda-feira (14) a contratação da atacante Cristiane, vice-campeã mundial e medalha de prata olímpica com a seleção brasileira. A jogadora chega para integrar a nova equipe feminina do time do Morumbi.

“Eu acho que é o sonho de toda atleta, de todo mundo, de representar um grande clube e hoje eu represento o São Paulo. Estou feliz demais. É uma alegria muito grande e eu espero poder representar à altura do clube”, afirmou Cristiane, ao site oficial do São Paulo.

O anúncio é uma surpresa depois de a imprensa europeia tratar uma ida para o Barcelona como certa. Na última sexta-feira (11), o jornal espanhol Sport havia noticiado que o acordo seria concretizado após o retorno dos treinos com a seleção brasileira.

A atacante brasileira estava no Changchun Yatai, da China, desde meados de 2017. Antes disso, ela já havia vestido a camisa de Corinthians, Santos e PSG.

Aos 33 anos, a atacante tem em seu currículo por clubes a conquista da Copa Libertadores de 2009, quando jogava pelo Santos, e o Campeonato Alemão, de 2005/06, quando vestiu a camisa do Turbine Potsdam.

Pela seleção, ela esteve na equipe vice-campeã mundial em 2007 e medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, e Pequim, 2008. Com informações da Folhapress.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

Luto

Morre ex-atacante Phil Masinga campeão continental em 1996

Publicado

em

Morreu neste domingo (13) em Johannesburgo, um dos principais ídolos do futebol da África do SUl, o ex-atacante Phil Masinga. A informação foi divulgada pela associação de futebol do país (Safa), Masinga lutava contra o câncer havia cerca de dois meses.

“Perdemos um gigante do futebol sul-africano. Este é um dia triste para nosso futebol. Estou realmente desolado. Eu o visitei no último domingo e, apesar de ele não estar se sentindo bem, estava com espírito positivo. Prometi visitá-lo novamente. Phil era leal ao jogo, dentro e fora do campo”, declarou o presidente da Safa, Danny Jordaan.

Ao longo de sua carreira, Masinga vestiu as cores do Jomo Cosmos e do Mamelodi Sundowns em seu país de origem, além do Leeds, do St. Gallen-SUI, da Salernitana, do Bari e do Al-Wahda-EAU. O jogador também vestiu por dez anos as cores da seleção da África do Sul, e conquistou a Copa Africana de Nações em 1996. Masinga também esteve no elenco que conquistou a primeira classificação da África do Sul para a Copa do Mundo em 1998.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS