Fique Conectado

confiante

‘Não vai ser difícil ganhar as eleições de 2018’, diz Lula

Publicado

em

Petista declarou que é preciso evitar a aprovação da reforma da Previdência, que "está acontecendo concomitantemente com o desmonte da Petrobras". (Ricardo Stuckert)
Anunciante

ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou neste domingo, 19, que “não vai ser difícil” ganhar as eleições presidenciais de 2018, mas defendeu uma mudança de estratégia dos partidos de esquerda para barrar as propostas do governo Michel Temer no Congresso. Ele avaliou que a oposição está fragilizada e lamentou que não tenha conseguido barrar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e propostas que, na sua avaliação, representam um retrocesso com relação aos avanços das gestões petistas, como a reforma trabalhista.

“Éramos contra reforma trabalhista, e ela aconteceu, éramos contra a Previdência, e se não tomarmos cuidado, vai acontecer”, disse o petista, ao discursar no Congresso do PCdoB. Lula afirmou que o governo Michel Temer é “fraco” e, por isso, se submete “aos interesses do mercado”. “Nenhum presidente fraco é respeitado.” “Os congressistas que estão votando pelo desmonte não têm compromisso conosco. Nunca vi tanto deputado reacionário, tanto troglodita, e se não tomarmos cuidado vai piorar na próxima eleição”, disse.

Ele declarou que é preciso evitar a aprovação da reforma da Previdência, que “está acontecendo concomitantemente com o desmonte da Petrobras”. “Não tenho mais idade de ficar criando movimento ‘fora Temer’ e ele estar dentro, de ficar gritando não vai ter golpe e ter golpe. Vamos ter que parar de gritar e evitar que isso aconteça mesmo. Isso não pode continuar acontecendo debaixo da nossa barba.” Segundo ele, estão querendo desmontar a Petrobras porque “eles não são políticos, são usurpadores.” E continuou: “Eles não têm compromisso com o povo brasileiro, querem fazer o desmonte, destruir o BNDES, a Eletrobras, a Caixa, desmontar a cidadania.”

No discurso, Lula disse que, se não fosse pela sua teimosia e a do PT, não teria chegado à Presidência da República. E que provou que era possível a esquerda transformar este País, citando melhorias em salário, educação e na própria inserção do Brasil no exterior. “Deixamos de falar ‘fino’ com os Estados Unidos.” “Tiramos o País do mapa da fome.” E lamentou que o sonho que a gestão petista sonhou “infelizmente está sendo aos poucos desmontado”. “Estava tudo preparado para o Brasil se tornar a 5ª economia do mundo.”

Esquerda unida

Lula fez um discurso pela unificação da esquerda no País e de incentivo à candidatura da deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila à presidência da República, durante congresso do PCdoB realizado neste domingo. Ele chegou ao evento por volta do meio-dia, acompanhado da presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), e sentou ao lado da pré-candidata e do governador Flávio Dino (MA), ambos do PCdoB. Ele destacou que a candidatura de Manuela não deixa “rusgas” na relação do PT com o PCdoB.

“Manuela, mesmo quando a gente faz uma campanha que a gente não ganha, se a gente fizer uma campanha ideologicamente bem feita, bem organizada, e a militância for para a rua, quero dizer que vale a pena ser candidato. Da minha parte, a única coisa que vão estranhar daqui para frente é um belo dia eu aparecer em algum dos comícios da Manuela.”

Ele disse que apoia que outros partidos também lancem candidatos, mas rejeitou a tese de que Geraldo Alckmin (PSDB) seria um candidato de centro. “Não podem dizer que Lula é de extrema esquerda, que Jair Bolsonaro é de extrema direita, e que é preciso achar o caminho do meio. Quem convive com Bolsonaro sabe quem ele é, que é mais do que extrema direita, mas ele também tem direito de ser candidato.”

Lula disse ainda que somente partidos com legado terão chance de vencer a próxima eleição presidencial, e lembrou que PT e PCdoB construíram um forte legado nos últimos 30 anos, desde a campanha presidencial de 1989, citando conquistas do seu governo. “Por isso temos que governar o País sem querer ser governante, a gente tem que ouvir o povo, o povo sabe, nós só temos que ter coragem de perguntar.” Ele defendeu ainda a regulação dos meios de comunicação e distribuição de riquezas. “Quero meios de comunicação onde todos possam se manifestar.”

Oque você acha disso?

notícia ao minuto
Anunciante

política

Andrés Sanchez é denunciado no STF por crime tributário

Ex-presidente do Corinthians e sócios dele usaram 'laranjas' para abrir empresa e 'camuflar' operações financeiras, sonegando R$ 8,5 milhões

Publicado

em

O deputado federal Andrés Sanchez (PT-SP) (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou nesta segunda-feira (11) ao Supremo Tribunal Federal (STF) o deputado federal Andrés Sanchez (PT-SP) por suposto crime tributário.

Segundo a PGR, o ex-presidente do Corinthians, junto de outros três sócios, teria usado “laranjas” para abrir uma empresa e camuflar operações financeiras, além de omitir receitas, para deixar de pagar tributos no valor de R$ 8,5 milhões.

O G1 buscava contato com o deputado até a última atualização desta reportagem.

Relator do caso no STF, o ministro Celso de Mello submeterá a análise da denúncia à Segunda Turma da Corte, que decidirá se torna o deputado réu num processo penal.

A Turma também é integrada pelos ministros Gilmar Mendes, Edson Fachin, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski.

Não há data para a Segunda Turma analisar o caso. A defesa do deputado poderá apresentar resposta à acusação e tentar convencer os ministros a arquivar o caso.

Se, ao contrário, os ministros aceitarem a denúncia, abre-se uma ação penal, ao final da qual o deputado será considerado culpado ou inocente.

O que diz a PGR

Segundo a PGR, Andrés Sanchez e os sócios dele teriam usado “laranjas” – pessoas sem capacidade financeira e usadas para esconder os reais proprietários – para abrir a empresa Orion Embalagens, em 2002.

As investigações, diz a procuradoria, mostram que a empresa fazia parte do Grupo Sol, de Sanchez, que atuava no mesmo ramo, funcionava no mesmo espaço e tinha os mesmos funcionários.

Por meio do esquema, acrescenta a denúncia, a empresa conseguia diminuir o pagamento de imposto de renda, PIS, Cofins e CSLL.

Além de multa e ressarcimento dos valores, Dodge pede a condenação de Sanchez a pena que varia de 2 a 5 anos de prisão.

Oque você acha disso?

Continue Lendo

Dinheiro Público

Tiririca usa cota parlamentar para viajar a locais onde faria shows

Na semana passada, deputado fez discurso na Câmara dos Deputados anunciando que deixaria a política por se sentir envergonhado com o que viu durante seus mandatos

Publicado

em

Depois de sete anos como deputado federal, o palhaço Tiririca (PR-SP) fez, na quarta-feira (6), o seu primeiro e último discurso, segundo ele mesmo, na tribuna da Câmara dos Deputados.

Na fala, que durou cerca de oito minutos, ele disse estar “abandonando a vida pública”. “Estou saindo triste para caramba. Estou saindo muito chateado, muito chateado mesmo com a nossa política, com o nosso Parlamento. Como artista popular que sou e político que estou, estou saindo chateado”, disse Tiririca.

E prosseguiu: “O que eu vi nos sete anos aqui, eu saio totalmente com vergonha. Não vou generalizar, não são todos. Tem gente boa aqui dentro”, afirmou o deputado.

O que Tiririca não mencionou, de acordo com levantamento feito pelo Correio Braziliense, foi que usou dinheiro público, referente à cota parlamentar a que tem direito, para pagar passagens aéreas dele e de seus assessores rumo a locais onde faria shows.

Segundo consta no site da Câmara, a verba deve ser “destinada a custear os gastos dos deputados exclusivamente vinculados ao exercício da atividade”.

O parlamentar foi procurado, por meio de sua assessoria, mas ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Veja abaixo algumas viagens custeadas por Tiririca, este ano, com a cota parlamentar:

6 de outubro

Passagens compradas no valor de R$ 934,90, do Rio para Brasília, em nome do também assessor do deputado João Júnior. No mesmo dia, Tiririca tinha apresentação na capital fluminense.

11 de agosto

Passagens no valor de R$ 2.746,52 para Ipatinga (MG), onde o deputado se apresentaria um dia depois. No mesmo dia 11, seguiria para uma cidade próxima, Teófilo Otoni (MG), onde tinha show.

9 de maio

Passagens compradas no valor de R$ 3.813,38, com destino a Aracaju (SE), para ele e para a assessora. Cinco dias depois, o deputado faria show na cidade.

3 de maio

Passagens compradas no valor de R$ 2.045,38, dessa vez apenas no nome da assessora Loianne Lacerda, para Teresina (PI). Mais uma vez, Tiririca se apresentaria nos municípios de Piripiri, Picos e na própria capital do Estado, dias 5, 6 e 7 do mesmo mês, respectivamente.

6 de abril

Passagens compradas no valor de R$ 2.205,58 para Ilhéus (BA), onde Tiririca tinha show, dois dias depois. Além da passagem dele, foi adquirida também a da assessora Loianne Lacerda, que o acompanhou. No dia 7, ele também subiu ao palco, na cidade de Jequié (BA), enquanto no dia 9 se apresentou em Itabuna (BA).

Oque você acha disso?

Continue Lendo

Investigação

Esquema descoberto pela PF liberou R$ 2 bi em créditos tributários para JBS

Publicado

em

A Operação Baixo Augusta, deflagrada hoje (11) em São Paulo e mais cinco cidades paulistas, encontrou provas do envolvimento de um advogado, um empresário e um auditor da Receita Federal em um esquema de propina destinado a agilizar a liberação de créditos tributários na Receita, favorecendo o grupo JBS.

As investigações tiveram como base os depoimentos dados ao Ministério Público Federal (MPF) por um executivo do grupo.

A ação resultou de trabalho conjunto da Polícia Federal (PF), do Ministério Público e da Receita.

O servidor público foi afastado judicialmente e oito pessoas físicas e jurídicas tiveram os bens bloqueados. Foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão em residências e empresas de suspeitos de corrupção, envolvendo a Operação Lava Jato, nas cidades de São Paulo, Caraguatatuba, Campos do Jordão, Cotia, Lins e Santana do Parnaíba.

Segundo o delegado Thiago Borelli Thomaz, chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários e responsável pela Operação Baixo Augusta, desde 2004, o advogado e o empresário intermediavam o contato entre o auditor e o grupo JBS.

“Descobrimos a movimentação de R$ 160 milhões em propina e R$ 2 bilhões em créditos tributários liberados para o grupo JBS”.

O delegado especial de Administração Tributária da Receita Federal em São Paulo, Guilherme Bibiani, dlisse que a Corregedoria do órgão apurou que esse auditor fiscal fazia todas as análises de pedidos de ressarcimentos vinculados ao grupo.

“As investigações conjuntas verificaram que o servidor tinha um patrimônio completamente incompatível com a renda inerente ao cargo.”

Segundo Bibiani, a Receita Federal está avaliando se os ressarcimentos concedidos à JBS são realmente devidos a cálculos de um grupo de trabalho criado em Brasília exclusivamente para submeter todos os procedimentos de ressarcimento e análise de direito creditório do grupo serão submetidos a pente fino.

“O número de R$ 2 bilhões é o total solicitado pela JBS nos últimos dois anos e meio. Não quer dizer que isso seja indevido. A partir de um percentual de glosas que a Receita Federal costuma apurar em situações semelhantes, é possível fazer a inferência de que haja uma fraude no valor de centenas de milhões de reais ao menos”, ressaltou o delegado.

De acordo com Bibiani, os valores relacionados a PIS-Cofins (Programa de Integração Social-Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) podem ser devolvidos, mas normalmente não são analisados com tanta rapidez.

“Então, a linha de investigação principal é a de que a agilidade na análise desses créditos tenha sido completamente fora dos padrões normais com auferimento de vantagem indevida pelo servidor”, afirmou.

As investigações apuraram ainda que empresas de fachada e a emissão de notas fiscais falsas contribuíram para essas ações.

O delegado federal Alberto Ferreira Neto explicou que, dos R$ 160 milhões, R$ 100 milhões foram pagos por intermédio de doleiros, R$ 40 milhões em espécie e R$ 20 milhões por meio das notas fiscais falsas.

“Ou sejam, eles faziam a simulação da prestação de serviços só para que o dinheiro pudesse chegar às mãos das pessoas certas. Verificamos que as empresas não existiam, nem os serviços eram prestados.”

As investigações indicam que o auditor fiscal recebeu 8% dos valores creditados ao grupo JBS.

Oque você acha disso?

Continue Lendo

Facebook

Anunciante Sou Mais Familia

MAIS LIDAS DO DIA