Fique Conectado

museu nacional

Católicos protestam contra ‘arte obscena’ em exposição no DF

Cerca de 200 pessoas rezaram 'Ave Marias' em frente ao Museu Nacional da República, segundo organizador.

Publicado 

em

Grupo de católicos reunidos no Museu Nacional da República em Brasília em prostesto contra expo~sição de arte (Foto: Luiza Garonce/G1)
Anunciante

Um grupo de católicos protestou neste sábado (18) em frente Museu Nacional da República em Brasília contra a “o escárnio e os ultrajes contra Jesus e Maria” na arte contemporânea brasileira. Por volta das 19h30, cerca de 200 pessoas, segundo os organizadores, rezavam “Ave Marias”.

Na internet, o movimento criou uma petição para pedir o fechamento da exposição “Contraponto”, que fica em cartaz até dia 25 de novembro. O pedido de interdição teve 9.492 assinaturas até a publicação desta reportagem.

Do lado de dentro do museu, no entanto, nenhuma das obras em exibição tem apelo sexual, erótico, religioso ou aborda questões de gênero, segundo a curadoria.

Um dos organizadores do protesto, Flávio Souza explicou ao G1 que este foi um “ato de desagravo” contra movimentos artísticos que ofendem a religião católica em todo o país. “Nos últimos dois, três meses temos observado várias obras de arte e exposições que afetam diretamente a fé católica.”

Filipe Fornari

O argumento do grupo para pedir o fechamento da exposição é de que a “Contraponto” expõe obras do artista Antônio Obá, “que realizou uma performance com a imagem de Nossa Senhora Aparecida com um ralador no seu órgão sexual.”

A performance à qual se referem os religiosos chama-se “Atos de transfiguração”, em que o artista está nu e usa um ralador para desfazer uma pequena escultura de Nossa Senhora em gesso. Depois que o objeto vira pó, Obá despeja substância branca sobre si mesmo.

Nascido e criado em Ceilândia, Obá descreve o próprio trabalho em sua página profissional na internet como a reconfiguração da “tradição interiorana que permeia o universo religioso brasileiro, que reflete criticamente sobre a ideia de um dito sincretismo e situações históricas ligadas ao preconceito étnico.”

“Antônio Obá é o artista que tem como prática recorrente ofender e vilipendiar símbolos sagrados”, disse Souza. “Na série ‘Verônica’, que são quadros de nu, em um deles Santa Verônica está nua e, em outra, a chaga na mão de Jesus tem o formato de uma vagina.”

“Esses quadros não estão expostos, mas são do artista.” Diante da afirmativa, Souza disse que o ato, além de pedir o fechamento da exposição, manifesta repúdio ao artista.

Tanto a performance, quanto a série “Verônica” não fazem parte da exposição “Contraponto”. Segundo a produtora da mostra, Diana Castilho Dias, o objetivo da mostra é apresentar “uma das maiores coleções de arte contemporânea do Brasil”.

A curadora, Tereza de Arruda, disse ao G1 que passou cerca de um ano analisando o acervo pessoal de um dos maiores colecionadores de arte do país, Sérgio Carvalho, que tem 1.900 trabalhos de 164 artistas de todo o país.

“São contraposições das visões de vários artistas”, explicou. “Selecionamos 34 artistas de 10 estados brasileiros e de 3 gerações.”

Petição online criada por grupo católico de Brasília pede fechamento de exposição por ‘vilipendiar publicamente ato ou objeto religioso’ (Foto: CitizenGo/Reprodução)

Desinformação

Segundo a produtora da mostra, Diana Castilho Dias, o grupo esteve na abertura da “Contraponto” na manhã da última sexta-feira (17), participou de um bate-papo com os artistas e conversou tanto com ela, quanto com a curadora, Tereza de Arruda. “Nós vimos claramente que eles vieram com motivação e com um desconforto muito grande em relação ao Obá.”

A obra é “Bala perdida”, criada nos anos 2000, que reúne pequenas esculturas de santos e monumentos, como Santo Antônio e o Cristo Redentor, cravejados com balas reais de revólver. “Não tem nenhum relação com fé, com religiosidade. É uma contestação à violência no Rio de Janeiro, que está tão grande que até Jesus poderia ser alvo de uma bala perdida”, explicou Diana.

Segundo a produtora, antes de inaugurar a “Contraponto”, a série de obras de Leirner foi exibida em uma mostra paralela exclusivamente para especialistas em arte e artistas. “Em momento algum essa mostra esteve prevista para abrir ao público, porque entendemos o momento e suscetibilidade do momento.

“Não houve da nossa parte qualquer censura aos artistas. Isso foi pensado dessa forma, mas não havia sequer espaço para colocar todas as obras dos artistas. Não foi censura prévia.”

Deixe sua opinião

Fonte:
g1
Anunciante

economia

Começam os saques do fundo PIS-Pasep a quem tem mais de 57 anos

Começa nesta segunda-feira (18) o pagamento dos recursos do Fundo PIS-Pasep para quem tem a partir de 57 anos. Têm direito a esse dinheiro os trabalhadores de organizações públicas e privadas que contribuíram para o PIS ou para o Pasep até 4 de outubro de 1988 e que não tenham resgatado todo o saldo. Quem passou a contribuir após essa data não tem saldos para resgate.

A Caixa Econômica Federal é responsável pelo pagamento dos recursos do PIS, o que corresponde a cerca de 80% do total, e o Banco do Brasil é responsável pelo pagamento dos recursos do Pasep (cerca de 20% do total).

A Caixa e o Banco do Brasil divulgaram na semana passada o calendário de saques para os beneficiários de todas as idades.

Segundo os dois bancos, nesta primeira etapa serão contemplados cerca de 4,7 milhões de cotistas, no total de R$ 8,61 bilhões – 2,9 milhões com direito ao PIS (R$ 4 bilhões) e 1,8 milhão com direito ao Pasep (R$ 4,61 bilhões). Nesse balanço, a Caixa contabiliza os cotistas com idades entre 57 e 59 anos, e o Banco do Brasil, todos os cotistas com idade a partir de 57 anos.

Filipe Fornari

Os beneficiários poderão sacar o dinheiro diretamente nas agências até o dia 29 de junho, uma sexta-feira. Depois os pagamentos ficarão suspensos até o dia 7 de agosto.

A partir de 8 de agosto, recebem o dinheiro em conta os correntistas de todas as idades da Caixa e BB, no total de R$ 5 bilhões.

E a partir do dia 14 de agosto, estão liberados os saques para os cotistas de todas as idades, incluindo os que não realizarem o saque na primeira etapa. Todos esses beneficiários com menos de 60 anos terão até o dia 28 de setembro para sacar o dinheiro.

Quem deixar para sacar as cotas do Fundo PIS-Pasep em agosto terá os saldos das contas corrigidos com base no rendimento obtido nos últimos 12 meses pelo fundo, e a estimativa é de um aumento entre 8% e 10%. Por exemplo, quem tiver o saldo na conta de R$ 1.000 vai receber de R$ 1.080 a R$ 1.100. A correção aplicada no ano anterior foi de 8,9%.

Depois do dia 28 de setembro, volta a valer a regra de liberação dos saques somente para os casos de aposentadoria, idade a partir de 60 anos, invalidez (inclusive do dependente), morte do cotista (habilitando o herdeiro a sacar) e algumas doenças graves, como câncer, aids, Parkinson e tuberculose (incluindo o dependente). Nesses casos, é possível fazer os saques a qualquer momento, sem necessidade de seguir cronograma, e o prazo continua aberto por tempo indeterminado.

Como as cotas do Fundo PIS-Pasep vigoraram durante um período específico, muitos beneficiários desconhecem esse direito e, no caso de morte do cotista, os herdeiros também não sabem que têm direito ao dinheiro.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

Estado de SP

Licenciamento: placas com final 3 devem ser regularizadas em junho

Vai até o fim do mês de junho o prazo para que proprietários de veículos com placas final 3 façam o licenciamento. Quem perder o prazo, está sujeito a receber multa a partir de 1º de julho, até regularizar a documentação.

Confira abaixo os passos para fazer o licenciamento, que também pode ser consultado no portal do Detran.SP (www.detran.sp.gov.br), na área “Veículos”. A página também traz uma série de respostas para dúvidas frequentes relacionadas ao tema.

Como licenciar

O valor do licenciamento em 2018 é de R$ 87,38 para todo tipo de veículo. Não é necessário ir às unidades do Detran.SP ou imprimir boleto para pagar a taxa. Basta informar o número do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) ao caixa bancário ou selecionar essa opção nos terminais eletrônicos das agências ou no internet banking. É preciso quitar possíveis débitos de IPVA, seguro obrigatório e multas, por exemplo. Algumas unidades do Detran.SP dispõem de máquina para pagamento com cartão de débito.

Retirada do documento

Com o comprovante de pagamento e um documento de identificação em mãos, o condutor pode ir ao Detran.SP ou posto Poupatempo para solicitar a emissão do documento. Se preferir, pode pagar junto com a taxa o custo de envio pelos Correios, de R$ 11, para receber o documento em casa. A entrega pode ser acompanhar pelo portal www.detran.sp.gov.br, em “Serviços Online”.

Filipe Fornari

Apreensão do veículo

Licenciamento em atraso gera a remoção do veículo ao pátio. Além disso, o proprietário recebe multa de R$ 293,47 e sete pontos na habilitação porque conduzir veículo que não esteja devidamente licenciado é infração gravíssima, conforme prevê o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Pagar o licenciamento em atraso também gera a cobrança de multa e juros de mora. Caso não seja feito, o dono do veículo pode ter o nome inscrito no Cadastro Informativo dos Créditos não Quitados (Cadin) e na dívida ativa do Estado pelo débito em aberto.

Lembrete de licenciamento

Para facilitar a vida dos motoristas, o Detran.SP oferece uma comodidade: o envio de alerta de vencimento do licenciamento. Quem quiser ser lembrado 30 dias antes é só cadastrar o celular no portal detran.sp.gov.bre autorizar receber o aviso via SMS ou notificação push por meio do aplicativo do Detran.SP para smartphones.

Cronograma oficial – No Estado de São Paulo, o calendário anual obrigatório começa em abril e vai até dezembro, de acordo com o final de placa do veículo. Confira o cronograma na tabela abaixo:

Calendário obrigatório de licenciamento 2018

 

Todos os veículos, exceto caminhões

Final de placa

 

Mês obrigatório

 

1

Abril

2

Maio

3

Junho

4

Julho

5 e 6

Agosto

7

Setembro

8

Outubro

9

Novembro

0

Dezembro

Veículos registrados como caminhão

1 e 2

Setembro

3, 4 e 5

Outubro

6, 7 e 8

Novembro

9 e 0

Dezembro

Deixe sua opinião

Continue Lendo

ECONOMIA

Preço do diesel diminui, mas redução de R$ 0,46 ainda não chega às bombas

Pela segunda semana consecutiva, o preço do diesel nos postos do Brasil recuou, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A queda é resultado do programa de subsídios ao combustível que fez parte do acordo, entre o governo federal e caminhoneiros, que pôs fim à greve de 11 dias da categoria.

Ainda segundo a agência reguladora, o valor médio do diesel nos postos brasileiros atingiu uma média de R$ 3,434 por litro nesta semana, queda de 1,4% em relação aos R$ 3,482 registrados na semana anterior.

Apesar do recuo, o preço nas bombas dos postos do país ainda não refletiu a redução média de R$ 0,46 por litro realizada nas refinarias. Segundo a ANP, isso ainda é um reflexo de estoques antigos. Além disso, para que o corte chegue ao consumidor final, muitos estados ainda precisam reduzir o preço de referência para a cobrança do ICMS.

Gasolina
A gasolina registrou preço médio nos postos de R$ 4,572 nesta semana, queda de 3 centavos, se comparada ao preço da semana anterior, segundo dados da ANP. A Petrobras permanece administrando reajustes quase que diários, seguindo indicadores internacionais, como o preço do barril do petróleo e o dólar.

Filipe Fornari

Consulta Pública
Na última semana o presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, deu várias declarações afirmando que aguardará resultados de uma consulta pública – que termina no dia 2 de julho – sobre preços dos combustíveis anunciada pela ANP antes de decidir se será necessária uma mudança na frequência dos reajustes no preço da gasolina realizados pela estatal.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

comportamento

Camisa amarela da seleção é rejeitada por parte dos brasileiros

O uniforme amarelo foi usado por manifestantes contra Dilma

Pouco se vê de camisas verde e amarelo pelas ruas do Brasil em plena Copa do Mundo 2018. O motivo é que manifestantes contrários ao PT e ao governo de Dilma Rousseff usaram a camisa da seleção brasileira como uniforme e, agora, quem torce pelo Brasil fica com receio de ser considerado apoiador dos protestos passados.

A camisa foi adotada como símbolo dos protestos pró-impeachment da presidente Dilma. “Foi apropriada por esses movimentos porque representa o Brasil que deu certo, mas virou sinônimo da polarização política do país. Evito usar na rua. Não quero ser confundido”, afirma o estudante Matheus Peogetti, 18 anos.

O auditor Vinícius Nagawa, 24, acredita que o uso da camisa amarela nas manifestações indica o tamanho da crise de identidade dos brasileiros. “É como se precisássemos do uniforme da seleção para nos sentirmos brasileiros. Na falta de todo o resto, é o futebol que nos representa”, afirma.

A verdade é que a procura pela camisa amarela diminuiu, segundo revela a Folha de S. Paulo. O uniforme azul estaria conquistando os torcedores por estar menos ligado ao racha político que pautou brigas e agressões entre a direita verde-amarela e a esquerda vermelha.

Filipe Fornari

A marca patrocinadora da seleção, a Nike, informou em nota que a camisa azul caiu no gosto do brasileiro e está com um ritmo de saída acelerado, já esgotada em algumas lojas, mas atribuiu o desempenho a seu design inovador.

O escritor gaúcho Aldyr Garcia Schlee, 83, que aos 17 anos venceu o concurso que escolheu o desenho do uniforme da seleção, em 1954, diz aprovar a atual rejeição a sua criação após o uso político. “Usaram a camisa para derrubar Dilma como se fosse um símbolo nacional sem se darem conta de que ela representa uma entidade fraudulenta”, considera Schlee.

O professor de literatura da USP (Universidade de São Paulo) José Miguel Wisnik, autor do livro Veneno Remédio (Companhia das Letras), que explorou as relações entre o futebol e o imaginário coletivo brasileiro, avalia que a vida pública brasileira está fortemente faccionalizada e o futebol não é capaz da magia de criar unanimidades.

A seleção não é redutível a um uso político que se faça dela, diz ele, que critica o que chama de posição puramente reativa da esquerda.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS