Fique Conectado

Saúde

Como identificar os sintomas de diabetes no bebê e fazer monitorização

A prevalência de diabetes tipo 1 em crianças menores de 5 anos ainda cresce; Dia 14 de novembro é o Dia Mundial do Diabetes

Publicado

em

Anunciante

Estudo em Brasília mostra aumento de diabetes tipo 1 (DM1) de 3% em crianças e adolescentes desde 1970. Só na Europa, uma pesquisa indica que o número de crianças diabéticas menores de cinco anos pode dobrar até 2020, em comparação com 2005. Outros dados apontam que 4% de todas as crianças diagnosticadas com DM1 têm menos de dois anos de idade.

Como saber se o bebê apresenta sintomas?

AnuncianteClínica Fornari

Em lactentes ou crianças que ainda usam fraldas, os sintomas apresentados são: irritabilidade, muito choro e sede excessiva. Bebês que se alimentam exclusivamente do leite materno querem mamar toda hora – assim como os que fazem uso da mamadeira – para matar a sede.

A troca de fraldas fica mais frequente, e surge a dermatite de fralda, ocasionada pela maior incidência de fungos na região genital, causando assaduras que não se resolvem de maneira normal como nas crianças não diabéticas. “A falta de ganho de peso também é um dado importante”, afirma Marcio Krakauer, diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

E como diagnosticar?

Durante consulta de rotina ou visita a um pronto socorro por causa de um quadro viral, por exemplo, que apresenta vômito e diarreia, basta o médico pedir um exame de glicemia capilar e unir o resultado ao histórico dos sintomas acima descritos para diagnosticar o diabetes.

Como deve ser feita a monitorização em crianças abaixo de 5 anos?

É feita da mesma forma como em crianças maiores, ou seja, com exame da glicemia capilar frequente e hemoglobina glicada a cada 3 meses. Além disso, com exames que avaliam risco de doença da tireoide e doença celíaca.

Um parâmetro importante é a curva de crescimento da criança, que deve estar compatível com a faixa etária. Monitorar a glicemia continuamente com os sensores de glicose intersticial é essencial.

A terapêutica ideal nas crianças com menos de quatro anos é a utilização da bomba de infusão, uma vez que elas precisam de doses muito pequenas de insulina, que as seringas comuns não conseguem prover.

A grande dificuldade é que essas crianças pequenas têm uma sensibilidade muito grande à insulina, ou seja, uma unidade de insulina é capaz de diminuir a glicemia capilar entre 200 a 350mg. Por isso que as quantidades aplicadas, normalmente em valores decimais, geralmente menores que 0,5U, só podem ser obtidas de maneira satisfatória com uso da bomba de infusão.

A bomba com sensor tem vantagem grande por aliar a facilidade de aplicar doses pequenas de insulina com a monitorização contínua da glicemia, o que pode ajudar quanto à grande queixa dos pais, que é sempre a preocupação com o risco de hipoglicemia durante a madrugada.

Muitas crianças utilizam o free style libre sensor de glicose intersticial que não necessita calibração, já liberado para crianças acima de quatro anos. “Nesta faixa etária, não há dúvidas de que bombas de insulina e monitorização contínua sejam o melhor tratamento”, completa Dr. Krakauer, endocrinologista especializado em tecnologias aplicadas ao diabetes.

Para quem não tem condições de fazer uso dessas bombas, as insulinas de eleição são as insulinas análogas basais (Glargina/Lantus, Detemir/Levemir e mais recentemente Degludeca/Tresiba) aplicando as insulinas rápidas (Lispro/Humalog, Aspart/Novorapid, Glulisina/Apidra), disponíveis também em alguns estados brasileiros no serviço público.

Quando isso não é possível, utiliza-se a insulina NPH, (que é uma insulina intermediária cujo controle glicêmico é mais difícil de ser feito), aplicando as insulinas análogas rápidas às refeições.

O ideal é o uso de canetas aplicadoras de 0,5 UI, porém nem todas as marcas estão disponíveis para venda no Brasil.

Endocrinologistas afirmam que a mãe de uma criança diabética tem a vida completamente transformada.

Fica muito difícil trabalhar fora sem montar uma equipe de cuidadores treinados, tanto na escola como em casa, gerando um impacto psicológico muito grande, já que a dedicação é redobrada. “O melhor amigo do diabetes é o conhecimento aliado à informação de qualidade”, finaliza o médico.

Deixe sua opinião

SBEM-SP
Anunciante

Saúde

Pagodeiro Péricles é internado em São Paulo e passa por cirurgia

Publicado

em

cantor Péricles passou por uma cirurgia para corrigir uma hernia na tarde desta segunda-feira (20), no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

A assessoria do artista informou à revista QUEM que ele passa bem, após o procedimento na região lombar.

AnuncianteClínica Fornari

O problema é decorrente de um acidente de ônibus que o pagodeiro sofreu quando fazia parte do grupo Exaltasamba.

O cantor deve ter alta nesta terça-feira (21) e ficará 15 dias de licença médica, mas retoma sua agenda de shows em seguida.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

educação

Começam hoje inscrições para bolsas remanescentes do ProUni

Publicado

em

A partir desta segunda-feira (20), estudantes interessados em concorrer a bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni) podem fazer a inscrição pela internet. Ao todo serão ofertadas 106.252 bolsas que não foram preenchidas no processo de seleção regular, das quais 18.070 são integrais e 88.182, parciais de 50%.

O ProUni oferece bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior do país. Podem concorrer brasileiros sem diploma de curso superior que tenham participado de alguma edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010. É preciso ter obtido nota superior a 450 pontos nas provas e não ter zerado a redação.

AnuncianteClínica Fornari

Os interessados precisam ainda preencher um ou mais dos seguintes requisitos: ter cursado o ensino médio completo em escola pública ou em instituição privada como bolsista integral, ter alguma deficiência, ser professor da rede pública ou estar enquadrado no perfil de renda exigido pelo programa.

As bolsas integrais são para estudantes com renda per capita de até um salário mínimo e meio. Já as bolsas parciais destinam-se a candidatos que têm renda familiar per capita de até três salários mínimos.

O prazo para concorrer às bolsas varia. Os alunos já matriculados nas instituições de educação superior devem se inscrever até 28 de setembro. Para aqueles para aqueles não matriculados, o prazo é menor e vai até 24 de agosto.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

Cuidado

Saiba 4 materiais que não podem ir ao microondas

Publicado

em

Omicro-ondas é um equipamento que a maioria das pessoas já têm em casa. Responsável por facilitar a vida, ele ajuda a descongelar e até preparar alimentos desde o princípio. Há até quem prepare de arroz a pudim com a ajuda do aparelho. Contudo, nem todos os materiais podem ser usados no microondas, para que ele não se torne um vilão da sua saúde. Confira a lista, elaborada pelo site Viva Bem:

1. Alguns tipos de plástico

AnuncianteClínica Fornari

Plásticos que liberam dioxina, bisfenol A (BPA) e ftalatos quando aquecidos devem ficar bem longe do micro-ondas, pois essas substâncias podem imitar hormônios humanos (disruptores endócrinos) e estudos indicam que o BPA pode alterar a função da tireoide e até prejudicar o desenvolvimento fetal, enquanto as dioxinas podem prejudicar o sistema imunológico e reprodutivo. Ftalatos, por sua vez, estão relacionados a alguns tipos de câncer. Plásticos sem essa substância podem ser usados no aquecimento de alimentos.

2. Papel-filme

O PVC, ou plástico-filme, não é indicado para ir ao micro-ondas, pois o PVC é um plástico que podem conter as substâncias citadas acima, potencialmente tóxicas. O vapor gerado no aquecimento, quando se condensa, encosta no plástico e respinga na refeição. O ideal é substituir por uma tampa, uma opção mais sustentável e saudável.

3. Isopor

O isopor tem como matéria-prima o poliestireno, um produto que, quando aquecido no micro-ondas libera uma substância chamada estireno, que se transforma em hipóxido, altamente cancerígeno e obesogênico.

4. Alumínio

A intoxicação por alumínio vem sendo estudada há algum tempo pelos cientistas. Segundo o Portal Educação, o alumínio tem sido associada à constipação intestinal, cólicas abdominais, anorexia, náuseas, fadiga, alterações do metabolismo do cálcio (raquitismo), alterações neurológicas com graves danos ao tecido cerebral, na infância pode causar hiperatividade e distúrbios do aprendizado.

Inúmeros estudos consideram que o alumínio tem um papel extremamente importante no agravamento do mal de Alzheimer (demência precoce) e o excesso de alumínio interfere com a absorção do selênio e do fósforo.

Quando aquecido no micro-ondas, o alumínio pode ainda causar perigos de incêndio. Quando as ondas eletromagnéticas do aparelho entram em contato com o alumínio, um condutor de eletricidade, pode gerar correntes elétricas que levam ao superaquecimento desse metal.

O que usar?

Para aquecer, use cerâmica ou vidro, pois não transferem substâncias ao alimento quando esquentados.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

loteria

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 27,5 milhões na quarta-feira (22)

Publicado

em

Aconteceu, na noite deste sábado (18), o sorteio do concurso 2070 da Mega-Sena, na Coribe (BA). Nenhum apostador acertou as seis dezenas e o prêmio máximo acumulou para R$ 27,5 milhões.

Confira os números sorteados: 05 – 26 – 27 – 34 – 42 – 48.

AnuncianteClínica Fornari

De acordo a Caixa Econômica Federal, a Quina contou com 84 apostas ganhadoras, com prêmio no valor de R$ 25.629,96 cada.

Outras 5.654 pessoas fizeram a Quadra e levaram R$ 543,96.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS