Oi, o que você está procurando?

Faturamento do varejo da região de Araçatuba deve atingir R$ 9 bilhões em 2016, alta de 3,2%

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) estima que em dezembro, as vendas do comércio varejista na região de Araçatuba apresentem um resultado 0,3% melhor que o registrado em 2015, atingindo um faturamento real de R$ 878,2 milhões, isto é, R$ 2,3 milhões a mais em relação ao ano passado, que apresentou queda de 2,3% na comparação com dezembro de 2014.

Para o ano de 2016, as vendas devem atingir um montante de R$ 9,0 bilhões, 3,2% maior comparado com 2015 quando o faturamento foi de R$ 8,7 bilhões, 7,3% inferior ao ano anterior.

Dessa forma, a região de Araçatuba tem a segunda menor participação nas vendas do varejo paulista dentre as 16 regiões avaliadas pela Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), sendo responsável por 1,5% do faturamento anual total.

Empregos formais

Já o mercado de trabalho do comércio varejista da região de Araçatuba deverá ter redução de 904 empregos com carteira assinada em 2016. Este saldo negativo será resultado de 13.753 admissões contra 14.657 desligamentos. Com isso, o varejo da região deve encerrar o ano com 34.933 trabalhadores ativos, queda de 2,5% em relação ao fim do ano anterior. Em 2015, o saldo já havia sido negativo em 1.321 postos de trabalho, recuo de 3,6% do estoque de empregos em relação ao ano anterior.

A FecomercioSP estima que apenas os segmentos de farmácias e perfumarias e supermercados, entre as nove atividades, gerarão vínculos formais em 2016, com 43 e 207 empregos respectivamente. Em número de vagas, o destaque será a perda de 420 vínculos projetada para outras atividades. A atividade com maior redução proporcional do estoque de trabalhadores será a de lojas de móveis e decoração, com recuo de 8,8% que representa 73 empregos formais a menos. 

Nota metodológica PCCV

A Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV) utiliza dados da receita mensal informados pelas empresas varejistas ao governo paulista por meio de um convênio de cooperação técnica firmado entre a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

As informações, segmentadas em 16 Delegacias Regionais Tributárias da Secretaria, englobam todos os municípios paulistas e nove setores (autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamentos; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; materiais de construção; supermercados; e outras atividades).

Os dados brutos são tratados tecnicamente de forma a se apurar o valor real das vendas em cada atividade e o seu volume total em cada região. Após a consolidação dessas informações, são obtidos os resultados de desempenho de todo o Estado.

Nota metodológica PESP

A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamento; materiais de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecido e calçados; supermercados e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 157 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista – e quase 10% do PIB brasileiro – gerando em torno de 10 milhões de empregos.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!