Oi, o que você está procurando?

Design agressivo pode ser o responsável pelas explosões do Galaxy Note 7

O ano de 2016 vai ficar marcado pelas explosões relacionadas ao Galaxy Note 7, aparelho promissor que se revelou um grande desastre para a Samsung. Embora a companhia ainda não tenha divulgado as causas oficiais para o problema, uma análise conduzida pelo site Instrumental mostra decisões agressivas de design podem ser a origem do problema.

Segundo a avaliação, um par de camadas de polímeros banhada em eletrólitos foi usada para separar uma camada positiva feita de óxido de lítio-cobalto de uma camada feita de grafite. Caso essas duas camadas entrem em contato direto, os eletrólitos se aquecem e causam uma explosão.
O Instrumental afirma que, na tentativa de diminuir o tamanho do componente, a Samsung pode ter forçado a proximidade entre essas duas camadas. Assim, atitudes simples como colocar o celular sobre uma mesa ou guardá-lo em um bolso pode ter aumentado a pressão sobre o componente de forma suficiente para causar uma explosão.

Decisão arriscada

“Caso o Galaxy Note 7 não tivesse sofrido um recall por causa das baterias explodindo, em alguns anos esses smartphones seriam lentamente destruídos pelo inchaço mecânico de suas baterias. Uma bateria menor usando parâmetros de fabricação padrões poderia ter resolvido esses problemas”, afirmam os analistas.

O Instrumental desmontou o Galaxy Note 7 para descobrir qual é o problema de sua bateria

O Instrumental desmontou o Galaxy Note 7 para descobrir qual é o problema de sua bateria

A conclusão da Instrumental é que os engenheiros da Samsung decidiram tomar um grande risco na hora de construir o aparelho, algo comum no mundo da tecnologia. “Nesse caso, ela tomou um passo deliberado rumo ao perigo e sua infraestrutura de testes e validação de design falhou. Eles enviaram um produto perigoso às lojas”, conclui o site.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!