Oi, o que você está procurando?

Mulher que denunciou falso estupro coletivo é presa por estupro

Uma mulher de 22 anos foi presa nesta semana suspeita de estuprar com o marido de 41 anos uma garota de 17 anos em Brusque, no Vale do Itajaí. Esta mesma suspeita denunciou em julho ter sofrido um estupro coletivo por oito colegas de trabalho, mas em setembro retirou a queixa e foi indiciada por “denunciação caluniosa”.

Conforme o delegado Ricardo Casarolli, da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI), a suspeita foi detida em Vidal Ramos na segunda-feira (14) e encaminhada para o presídio de Rio do Sul. O marido foi preso em Brusque na quinta (17) em Brusque e encaminhado para a Unidade Prisional Avançada (UPA) da cidade.

Casarolli afirmou nesta sexta-feira (18) que a mãe da adolescente procurou a DPCAMI e comunicou que a menina, que é vizinha do casal, havia sido estuprada pelos dois em agosto.

“A menina é muito retraída. Eles moravam próximos e a família incentivava a convivência com os vizinhos até para ela se soltar”, disse o delegado.

Pelo relato da menor ao delegado, no quarto da casa dos suspeitos ela teve a boca tapada e o homem a estuprou. A mulher também teria praticado atos libidinosos com ela, na mesma cama. A jovem disse não ter sido consentido e que era virgem.

“O homem disse que o ato foi consentido e que os dois estariam apaixonados. O que é pouco crível pelo perfil da menina. Já a suspeita disse que desconhecia a situação”, informou Casarolli. O delegado diz que o exame de conjunção carnal foi feito e identificado o estupro.

Investigados por outros aliciamentos de menores
O casal também é investigado por outros aliciamentos de menores. A DPCAMI recebeu a denúncia de uma menina de 13 anos, vizinha do casal, que teria recebido a oferta e começou a se esquivar dos dois.

“Ela diz que começou a ser ameaçada pela suspeita, que se caso ela a encontrasse na rua, dizia que estava com arma embaixo da roupa e que ia feri-la”, conta o delegado.

O Conselho Tutelar também identificou os dois como um casal que, no Centro da cidade, abordava crianças e adolescentes de carro para supostas orgias. “A prisão preventiva se deu por se tratar duas pessoas que tentavam repetidamente cometer o mesmo tipo de ação, o que representa um risco”, completa Casarolli.

Denúncia de estupro coletivo
Na época da denúncia, em julho, a mulher contou que marcou um encontro com um colega de serviço, mas ele a teria levado para um local com outros sete homens, todos funcionários da prefeitura.

Depois se apresentou espontaneamente na delegacia e disse que não tinha ocorrido o crime. O delegado afirmou também que há indícios de extorsão no caso. Ela foi exonerada do cargo público por abandono de trabalho.

“A afirmação só confirmou a nossa suposição de que nada tinha acontecido. A pessoa tem um histórico de registros de boletim de ocorrência questionáveis, com pouca fidedignidade”, disse Casarolli.

O delegado afirma que não foi possível determinar o que levou a mulher a fazer a denúncia. “Pela minha experiência de 13 anos na Polícia Civil, não tinha fundamento desde o início. Ela é muito instável. Mesmo assim, todos foram interrogados e o inquérito foi feito”.

Na época do suposto estupro, a mulher chegou a falar sobre o caso à RBS TV e disse que demorou um mês para denunciar por sofrer ameaças. “Devido ao medo e também, no caso, como se tratava de uma traição, meu marido ia ficar sabendo. Ele só ficou sabendo uns dias atrás, quando eu fui agredida por eles de novo. Meu marido viu as marcas no corpo e me questionou”, contou.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!