Oi, o que você está procurando?

Fui rejeitada, e agora? Dicas para lidar com a rejeição amorosa

O que todo indivíduo social pretende é ser aceito e estimado nos grupos e nas relações. E dentro desse processo sempre estará presente a possibilidade de rejeição. Cada pessoa faz esse trabalho constantemente: o de aceitar, acatar, absorver ou o de rejeitar, afastar, ignorar. Esse movimento é tão natural quanto os relacionamentos humanos e assim o indivíduo cria sua identidade, sempre a partir de escolhas.

“Não existe unanimidade. Na natureza humana sempre haverão cores, sabores, experiências e pessoas que agradarão mais uma pessoa do que outra. O problema é que nós temos uma fantasia de que nosso desejo pelo outro deveria criar uma atração correspondente e irresistível”, explica Frederico Mattos, psicólogo e autor do blog Sobre a Vida.

Ser rejeitado costuma abalar diretamente a autoestima. A negativa de uma pessoa a quem você deu o seu melhor faz com que segurança em suas qualidades seja enfraquecida. A questão é que nem sempre isso é um processo racional ou mesmo pessoal, como esclarece Frederico:

“A rejeição pode acontecer por aspectos conscientes ou por outros inconscientes, como alguém que remete sentimentos avessos e repugnantes de muito tempo atrás, o jeito ou a aparência física pode despertar lembranças não claras no outro que causam essa desconexão. Forçar a barra seria uma agressão para os dois lados”.

Não há como fugir. Todos passam por rejeições em alguns momentos da vida. Seja na escola, com os amigos, no trabalho ou amorosamente. Não ganhar a promoção esperada, nem o convite para aquela festa ou a ligação do amante. A diferença está em como cada um lida com a rejeição.

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!