CONECTE CONOSCO

Porto Velho

Mulher condenada por estupro de vulnerável em RO é presa pelo GOE em Araçatuba

Publicado em

Condenada foi presa e levada para Tupi Paulista


A desempregada N.F.R, 21 anos, condenada a seis anos e oito meses de prisão pelo crime de estupro contra uma criança de 10 anos, foi presa por policiais do GOE (Grupo de Operações Especiais) na tarde desta terça-feira no Jardim do Trevo, zona oeste de Araçatuba. Ela era foragida da Justiça de Rondônia, onde aconteceu o crime, em 2017.

Policiais do GOE ficaram sabendo que a mulher fugiu de Porto Velho, capital de Rondônia, assim que soube de sua condenação, e estava escondida em Araçatuba. Na tarde desta terça-feira foram até o imóvel e localizaram a condenada. Ela foi levada para a delegacia e depois para a penitenciária de Tupi Paulista.

Como o processo correu sob sigilo, não foi possível levantar as informações detalhadas do caso. A reportagem do Regional Press apurou que a desempregada teve participação no crime na companhia de outra pessoa. A mulher foi condenada pelo crime de estupro de vulnerável, e na dosagem da pena, foi considerado que o crime foi cometido por mais de uma pessoa. Por ser ré primária e ter tido menor participação no crime, foi condenada a seis anos e oito meses de prisão em regime fechado.

De acordo com denúncia do Ministério Público, “Sua culpabilidade, consistente no grau de reprovabilidade da conduta, é intensa, eis que perfeitamente possível esperar-se da acusada atitudes contrárias às que praticou. Sua conduta social e personalidade não foram apuradas. O motivo do crime foi a maldade e a satisfação da lascívia própria e de terceiro. As circunstâncias em que praticou o crime revela ser pessoa má, insensível, não se compadecendo dos pedidos de socorro da criança, vítima de apenas 10 (dez) anos de idade. Ainda, tem-se que a vítima em nada contribuiu para o evento danoso. As consequências do crime foram gravíssimas, considerando a natureza do delito e os traumas que dele decorrem.”

A acusada tentou, sem êxito, recorrer da sentença. Como o processo é sigiloso, não foi possível saber quais os tipo de abuso e qual o grau, se é que existe, de parentesco entre a vítima e os acusados.

Ao analisar o recurso a justiça entendeu que: “A palavra da vítima que relata detalhadamente os abusos sexuais corroborada pelos demais elementos de prova dos autos reveste-se de maior credibilidade e autoriza a condenação do réu pelo crime de estupro. Impossível o reconhecimento do erro de tipo quando pelos elementos de provas dos autos fica evidente que a vítima possuía menos de 14 anos de idade, cuja compleição física demonstra a sua tenra idade, evidenciando-se que ele assumiu o risco da conduta”.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

Platina (SP)

Homem morre após cair em tubulação de destilaria na região de Assis

Vítima de 56 anos não era funcionário da empresa e não teria visto o buraco, segundo a Polícia Civil. Caso foi registrado como morte acidental suspeita.

Publicado em

Foto: Redes Sociais

Um homem de 56 anos morreu nesta segunda-feira (24) após cair em um buraco de aproximadamente três metros de profundidade em uma destilaria de Platina (SP).

Segundo informações da Polícia Civil, o motorista Hélio José Correa não era funcionário da destilaria e estava no local para recolher bagaços de cana para outra empresa.

Ainda segundo a polícia, a vítima não teria visto o buraco, que estava sinalizado, e caiu. O acidente só foi notado quando colegas de trabalho deram falta pelo motorista.

O Corpo de Bombeiros de Assis chegou a ser acionado, mas o motorista foi resgatado sem vida. O caso foi registrado na delegacia de Platina como morte acidental suspeita.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

REGIÃO

Polícia Civil faz operação contra a pedofilia em Ilha Solteira

Um homem acabou preso por armazenar material pornográfico infantil e por tentativa de estupro. Celulares e computadores foram apreendidos.

Publicado em

Celulares e computadores foram apreendidos pela Polícia Civil — Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil fez na manhã desta segunda-feira (24) uma operação contra a pedofilia em Ilha Solteira (SP). Dois homens suspeitos de assediar menores prestaram depoimento para a polícia e, um deles, acabou sendo preso.

De acordo com a delegada da Polícia Civil Carolina Tucunduva da Silva, ambos mantinham contato por meio do WhatsApp e por redes sociais com crianças e adolescentes em Ilha Solteira e cidades próximas. As conversas tinham cunho sexual.

A polícia cumpriu na manhã mandados de busca e apreensão na casa dos dois suspeitos, onde foram apreendidos celulares e computadores.

Durante a análise dos aparelhos, a polícia encontrou material com conteúdo de pornografia infantil em um dos computadores.

O dono, um homem de 37 anos, foi preso em flagrante e um inquérito por estupro de vulnerável foi instaurado. Ele passará por uma audiência de custódia nos próximos dias.

“Ele conversava com as crianças e as convidava para ir para casa dele. Ao todo, foram duas denúncias. Em uma delas, a criança não compareceu na residência do investigado. Logo em seguida, outra criança foi até a casa dele e a gente conseguiu provas de que ela teria sido molestada sexualmente”, explica.

O segundo suspeito foi detido, prestou depoimento e foi liberado em seguida. A decisão foi tomada porque a perícia não encontrou nenhum material pornográfico nos aparelhos eletrônicos apreendidos.

“Ele teve uma conversa com um adolescente que envolveu fotos íntimas e a marcação de um encontro. No entanto, não descobrimos se ele chegou a encontrar a vítima. Portanto, não podemos instaurar no mesmo sentido”, afirma a delegada.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

POLÍCIA

Flordelis não está colaborando com investigações, diz MP do Rio

A polícia não descarta a participação da deputada federal na morte do marido, o pastor Anderson do Carmo

Publicado em

BINHO DUTRA/DIVULGAÇÃO

O promotor Sérgio Lopes Pereira, responsável pelo caso do assassinato do pastor Anderson do Carmo, informou que a deputada federal Flordelis (PSD-RJ) e a família não estão colaborando com o andamento das investigações. A afirmação foi feita durante entrevista ao Fantástico, da TV Globo, nesse domingo (23/06/2019).

“Se mata um ente querido, você quer saber quem foi e a forma de saber é colaborando com as investigações. Nós não estamos vendo isso por parte da família, infelizmente”, disse o representante do Ministério Público do Rio de Janeiro. Assim como a delegada Bárbara Lomba, que investiga o caso, o promotor reforçou que todos que estavam na casa no momento do crime são suspeitos.

Flordelis é esperada na manhã desta segunda-feira (24/06/2019) na Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG). A viúva foi convocada para prestar um novo depoimento sobre a morte do marido. De acordo com a assessoria da deputada, Flordelis aceitou o convite nos termos formulados pela polícia, pois tem o interesse de colaborar com as investigações.

Na reportagem, o advogado Fabiano Leitão Migueis, que representa a deputada, rebateu a afirmação do promotor. “Ela quer colaborar. Está ansiosa para que esse resultado venha logo, que isso seja esclarecido. Ela foi clara para mim: doa a quem doer, mesmo que o responsável ou os responsáveis sejam um ente querido dela”, revelou.

Investigações
A participação de Flordelis na morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, não está descartada pelos investigadores. A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSGI) apura essa possibilidade, assim como ainda tenta desvendar a motivação para o crime.

Um dos filhos da parlamentar afirmou aos investigadores que a mãe e as três irmãs podem estar envolvidas na morte do pai, assassinado a tiros. O rapaz, que não teve a identidade revelada, afirmou também que uma das três irmãs suspeitas ofereceu R$ 10 mil ao irmão Lucas dos Santos para matar Anderson do Carmo.

“Não está esclarecida se a execução aconteceu daquela forma que foi narrada, se são só essas pessoas envolvidas. Então, muita coisa ainda está indefinida. São muitas motivações possíveis, pode ser mais de uma. E não está comprovada a relação extraconjugal”, explicou a delegada Lomba.

A investigadora destacou, durante atendimento à imprensa, que não foram encontrados os celulares da vítima, Anderson do Carmo, nem de Flávio dos Santos, um dos dois filhos do casal presos na segunda-feira passada (17/06/2019), acusado de ser um dos mandantes do assassinato. “Certamente havia informações importantíssimas”, enfatizou. Bárbara também ressaltou que, a princípio, o celular de Flordelis não será investigado.

Crime
O pastor Anderson do Carmo, marido da cantora e deputada federal Flordelis (PSD-RJ), foi morto na madrugada do último dia 16, em Niterói, no Rio de Janeiro. Os dois são pais de 55 filhos, sendo quatro biológicos. Eles moravam na comunidade do Jacarezinho quando adotaram, de uma vez, 37 crianças — todas sobreviventes de uma chacina ocorrida na estação Central do Brasil.

Na última segunda-feira (17/06/2019), a polícia prendeu dois filhos do casal, Lucas dos Santos e Flávio Rodrigues de Souza. Segundo informações da polícia, os assassinos doparam o cachorro da família para chegar à residência.

Pastora evangélica e cantora gospel, Flordelis recebeu 196.959 votos no primeiro mandato, sendo a quinta mais votada no Rio de Janeiro, com 2,55% dos votos válidos no estado. Ela já havia sido candidata em 2004 a vereadora em São Gonçalo (RJ), pelo então PMDB.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
87