Connect with us

ASSISTA

Mulher atacada a marretadas e acusado falam com exclusividade ao Regional Press

Publicado

em



A doméstica de 45 anos que quase foi morta com marretadas na cabeça pelo companheiro, um operador de máquinas de 54 anos, falou pela primeira vez com a imprensa, ainda em recuperação. A equipe do Regional Press também entrevistou o acusado pelo crime e a menina de apenas 13 anos, que em um ato heroico partiu para cima do agressor em defesa da mãe, e também foi atingida com um golpe na cabeça.

Cenas que mais pareciam um filme de terror e narrativas que mostram o pânico das vítimas do operador de máquinas no ataque de fúria que quase resultou na morte de mãe e filha com golpes de marreta. O cenário do local parecia de um filme macabro, com muito sangue espalhado pela casa. E o enredo desta história real parece mais um ficção longe de acontecer na vida real. O atentado chocou a cidade esta semana e teve repercussão nacional no dia Internacional da Mulher (8 de março).

Com muita dificuldade para se comunicar, a doméstica falou com a reportagem do Regional Press. No entanto, os golpes foram tantos que ela desmaiou e não se lembra exatamente do que aconteceu e demonstra uma pouco de confusão ao falar do caso. Ela está com a cabeça toda enfaixada e hematomas que deformaram o seu rosto.

A mulher diz lembrar-se apenas de alguém partindo para cima dela com algo que parecia uma garrafa preta e amarela, e lembra de sua filha vindo em sua defesa. Depois de tentar correr, lembra que caiu na cozinha. A partir deste momento disse que não tem mais lembranças de nada.

O que ela diz ser uma garrafa, segundo a filha, seria a marreta. A mulher também não se lembra quem seria o autor da agressão,e disse: “me falaram que foi meu ex-marido, mas eu não lembro”. Ela disse apenas que agora quer ficar bem consigo mesma.

O acusado da agressão, o operador de máquinas Hélio Fernandes, 54 anos, teve a prisão decretada pelo juiz Emerson Sumariva Júnior nesta sexta-feira e foi detido. Neste sábado foi encaminhado para a cadeia de Penápolis e de lá deverá ser transferido para Nova Independência.

O ACUSADO

Em entrevista ao Regional Press, o acusado disse não se lembrar de nada. Ao ser preso ele disse estar passando mal e chegou a ser levado ao pronto-socorro. Na manhã deste sábado insistia em dizer que não estava bem, que anda ruim da cabeças aos pés, e que não sabe o que aconteceu.

Fernandes afirma que no dia do ocorrido não houve briga nem desentendimento, e que realmente não sabe o que ocorreu. Questionado se estava arrependido, disse que, se fez algo que não se lembra, está sim arrependido e pede o perdão da esposa. Falando baixo e com as mãos trêmulas, o operador de máquinas foi repetitivo ao dizer que não se lembra de nada.

HEROÍNA

A adolescente de apenas 13 anos, filha da vítima e enteada do operador de máquinas foi uma heroína ao partir para cima do agressor em defesa de sua mãe. Ela conta que ao ver a situação, do agressor sobre sua mãe com a marreta na mão, partiu para cima e deu uma joelhada na boca dele.

O homem acertou uma marretada na cabeça da menina, que correu e se trancou no banheiro. Depois o homem conseguiu arrombar a porta e agrediu a jovem com socos no rosto. A marretada provocou um “galo” muito grande na cabeça e um corte que resultou em vários pontos, além de um soco que rasgou a lateral do nariz da adolescente e um corte no queixo, provocada pela queda após uma das marretadas. A menina lutou até desmaiar devido a um dos golpes. A mulher também ficou desacordada.

MOTIVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO

A motivação para as agressões foi o fato dele ter ouvido uma ligação da mulher para uma das filhas, onde ela dizia ter que arrumar uma casa para se separar do acusado. A decisão teria um outro agravante, denunciando no final do ano à polícia, onde o operador de máquinas seria o acusado. A reportagem não vai detalhar o caso que está sendo investigado em sigilo.

COMO FICOU

A doméstica realizou todos os exames e teria alta neste final de semana. Ela está se recuperando e apresenta hematomas por todo o rosto, além dos ferimentos causados pelas marretadas.

A jovem de 13 anos está com um grande hematoma na cabeça e teve de levar pontos na cabeça, no nariz e no queixo.
O acusado foi preso nesta sexta-feira e levado para a cadeia de Penápolis, de onde deverá ser transferido para Nova Independência.

Ele sumiu com a Honda Biz da doméstica e a moto ainda não foi localizada.


Deixe sua opinião

Fonte:
Anunciante

ASSISTA

Justiça decreta prisão preventiva de homem acusado de estuprar menina de 10 anos em Araçatuba

Publicado

em

O homem de 55 anos detido neste domingo acusado de abusar sexualmente de uma menina de 10 anos teve a prisão preventiva decretada pela Justiça na tarde desta segunda-feira e será transferido agora a tarde para a cadeia de Penápolis. O pedido foi feito pela Polícia Civil que abriu inquérito para investigar o caso, que veio à tona neste domingo após denúncia feita pela madrasta da vítima.

O acusado é um catador de materiais recicláveis que mora no bairro São José. A reportagem do Regional Press apurou que a menina não é neta da companheira do acusado, como chegou a ser noticiado. A mulher dele apenas ajudaria a cuidar da criança, já que a mãe da menina está detida. A garotinha, segundo familiares do acusado, chegou a ficar durante quatro meses sob os cuidados da companheira do catador de materiais recicláveis.

O caso veio à tona depois que a garotinha revelou à madrasta, neste domingo, que desde quando tinha sete anos teria começado a ser abusada pelo acusado.

A reportagem apurou que a mãe da menina está presa. Atualmente a garotinha está morando com o pai. A pessoa que acionou a PM ao saber do caso passou o endereço do acusado.

Policiais militares foram até o local e encontraram o homem, que ao ser questionado confirmou os abusos.
A madrasta ainda relatou que certa vez levou a menina ao médico, que estranhou o fato de uma criança ter corrimento e dores na genitália. O repórter Sílvio Romero, do Araçatuba Acontece, site parceiro do Regional Press, entrevistou o acusado. Assista o vídeo:


Deixe sua opinião

Continue Lendo

Cenas de um Crime

Câmera flagra furto de bicicleta em Araçatuba; denuncie!

Publicado

em

Imagem de circuito de segurança mostra o rapaz furtando bicicleta no bairro Rosele, em Araçatuba (Reprodução/ vídeo)

Câmera do circuito de segurança de uma casa registrou o momento em que um desconhecido furta uma bicicleta em uma calçada da Rua São Sebastião, bairro Rosele, em Araçatuba. O crime foi praticado por volta das 11h deste domingo (24).

Na volta do mercado, a moradora deixou a bicicleta na frente da casa para levar as compras para dentro. Foi nesse momento que o ladrão levou a bicicleta.

As imagens revelam que ele se aproxima da casa, olha para os lados, pega a bicicleta e saiu montado nela. A vítima chegou na calçada e não mais encontrou sua bicicleta, a qual utiliza para ir para o trabalho.

Ao verificar as imagens do circuito de segurança, viu o momento do furto. O vídeo será encaminhado à Polícia Civil.

Denúncia

Informações sobre o envolvido no crime podem ser passadas à polícia por meio dos telefones 190 e 197. O denunciante não precisa se identificar.


Deixe sua opinião

Continue Lendo

Perigo

Incêndio destrói loja da Subway em Andradina; vídeo

Publicado

em

Fotos: redes sociais

Um incêndio de origem ainda desconhecida destruiu uma loja da franquia Subway, em Andradina – a 110 km de Araçatuba. O incidente ocorreu na madrugada deste sábado (23).

Imagens de internautas mostram o fogo se alastrando dentro da loja e o estouro de vidraças. O incêndio foi debelado pelos bombeiros.

O imóvel, que fica na avenida Guanabara, no pátio de um posto de combustíveis, será periciado pelo IC (Instituto de Criminalística). O laudo deve esclarecer o que causou o incêndio na loja. Ninguém se feriu.

Veja vídeo feito por internauta e compartilhado em redes sociais da região:

 


Deixe sua opinião

Continue Lendo

Aplicativo

SOS Mulher permite que vítimas peçam ajuda apertando apenas um botão em SP

Ferramenta prioriza atendimento policial às vítimas com medidas protetivas; mais de 70 mil pessoas estão aptas a usar o serviço

Publicado

em

O governo de São Paulo lançou nesta sexta-feira (22) um aplicativo para que mulheres com medidas protetivas concedidas pelo Tribunal da Justiça de São Paulo (TJSP) possam pedir socorro quando estiverem em situação de risco. Chamado de SOS Mulher, a ferramenta, desenvolvida pela Polícia Militar, permite que as vítimas peçam ajuda apertando apenas um botão.

A medida visa agilizar e priorizar o atendimento destas pessoas, deslocando as equipes mais próximas ao local da ocorrência.

“A mulher aperta o botão e imediatamente aciona a Polícia Militar. A viatura mais próxima é enviada rapidamente até o local de onde foi emitido o sinal por meio do celular, em georreferenciamento. É mais rápido do que o sistema 190, que já é eficiente”, disse Doria.

Para usar o aplicativo, basta que o interessado baixe a ferramenta por meio das lojas virtuais Google Play e App Store. Depois, é necessário a realização de um cadastro com os dados pessoais para que as informações possam ser checadas junto ao TJSP, que fornece as informações do banco de dados das medidas protetivas. Após a confirmação positiva da ferramenta, o serviço poderá ser utilizado.

“As viaturas que estão a 4 km podem ser acionadas. Assim que acionou, cai no despachador, que é aquele policial que já aciona diretamente a viatura”, afirmou o comandante da Polícia Militar, Marcelo Vieira Salles.

É de extrema importância que, antes de começar a usar o aplicativo, a pessoa faça um teste de acionamento para verificar se a sua medida protetiva consta na base de dados do Poder Judiciário.

O botão “peça socorro” do SOS Mulher é destinado apenas às mulheres e também aos homens e crianças que possuem a restrição expedida pelo órgão. Atualmente, mais de 70 mil pessoas estão aptas a utilizar o serviço.

Como funciona?

Os usuários devidamente cadastrados na ferramenta podem pedir ajuda sempre que estiverem em perigo. Para isso, é preciso apertar o botão disponível na ferramenta por cinco segundos. Depois, automaticamente é gerada uma ocorrência de risco à integridade física pelos Centros de Operações da Polícia Militar (Copom) em todo o Estado.

Com isso, o atendimento será priorizado e a PM utilizará as coordenadas geográficas da pessoa, entre outros dados do seu cadastro, para encaminhar a viatura policial mais próxima para atendimento imediato à vítima.

Após a chegada da equipe policial no endereço, é essencial que o usuário apresente a decisão do juiz, comprovando o descumprimento da medida protetiva e as providências decorrentes.

Em caso de acionamento indevido, a pessoa deve acionar a Polícia Militar rapidamente pelo telefone 190 e cancelar a ocorrência. Essa ação é muito importante porque evita o deslocamento desnecessário de policiais, permitindo que casos urgentes sejam atendidos. O chamado também vale caso o interessado não consiga realizar o cadastro, esteja com problemas no aplicativo/celular ou para quem não possui medida protetiva e precisa pedir socorro.

Operacionalização

As ocorrências geradas por meio do SOS Mulher utilizam a mesma estrutura que o atendimento telefônico 190 e são realizadas pelos centros de operações da PM no Estado. Atualmente, além do Copom da Capital, existem outras dez unidades localizadas no interior e litoral, nas seguintes regiões: São José dos Campos, Campinas, Ribeirão Preto, Bauru, São José do Rio Preto, Santos, Sorocaba, Presidente Prudente, Piracicaba e Araçatuba.

Vale destacar que os casos registrados pela ferramenta dispensam o contato da vítima com os atendentes que fazem parte da estrutura do atendimento telefônico 190, priorizando e agilizando a atuação policial.

Violência contra a mulher

São Paulo é pioneiro no combate à violência contra a mulher e conta com 133 DDMs, sendo nove na Capital, 16 na Grande São Paulo e 108 no Interior. Destas, sete unidades funcionam 24 horas, e até o final deste mês outras três irão iniciar o atendimento interrupto.

Além disso, todas as delegacias do Estado seguem o Protocolo Único de Atendimento, que estabelece um padrão para melhor acolher casos de violência contra a mulher. Todos os policiais são capacitados – os cursos de formação contemplam disciplinas direcionadas ao tema.

Veja vídeo:


Deixe sua opinião

Continue Lendo

©2018 Regional Press- Direitos Reservados | Vamos fazer um site? Logo RC Criativa