Fique Conectado

Citricultura mais forte (Texto de Arnaldo Jardim)

Publicado

em

Anunciante

Participei no dia 10 de maio do lançamento da previsão de safra 2017/2018 do parque citrícola do Brasil, feita pelo Fundecitrus. Temos boas notícias, pois deve ser 14% superior à média dos últimos 10 anos. A estimativa divulgada mostra mais um resultado positivo para a produção dos 349 municípios mineiros e paulistas que formam este nosso parque citrícola, o maior do mundo.

A previsão é de que sejam colhidas 364 milhões de caixas de 40,8 quilos de laranjas de um total de 174 milhões de árvores. 68,49 milhões de caixas são das variedades Hamlin, Westin e Rubi; 17,42 milhões das variedades Valência Americana, Valência Argentina, Seleta e Pineapple; 114,52 milhões da variedade Pera Rio; 123,04 milhões das variedades Valência e Valência Folha Murcha e 41 milhões da variedade Natal.

É um número animador para o setor e pode significar uma retomada da citricultura como boa opção de geração de renda ao nosso produtor rural. Para se ter uma ideia do tamanho desta safra, a Flórida, nos Estados Unidos, que chegou a colher 160 milhões de caixas há cinco anos, tem previsão de colher apenas 65 milhões de caixas.

Um resultado alcançado com o esforço dos citricultores. Trabalho comprometido com a preocupação com itens essenciais como a sanidade – mas também auxiliado pela natureza. As condições climáticas observadas nesse período colaboraram para o aumento da produtividade.

Em julho, os estresses hídrico e termal provocados pelas noites frias (média de 12 ºC no cinturão citrícola) seguidas por dias quentes e secos (média de 27,3 ºC) favoreceram a indução floral com a chegada das primeiras chuvas em agosto de 2016. O número médio de frutos apurado nesta safra é de 753 laranjas por árvore, podendo variar em 1,9% para mais ou para menos.

Além disso, a emissão e o pegamento das floradas da safra 2017/18, que ocorreu entre os meses de agosto e dezembro de 2016, foi favorecida pela baixa produção da safra anterior. Isso proporcionou um descanso do ciclo reprodutivo e resultou no aumento das reservas energéticas das árvores do parque citrícola em geral.

A taxa de queda média estimada é de 18,5%. O índice projetado é superior aos apurados nas safras anteriores e está relacionado a um maior volume de produção esperado, o que pode provocar um prolongamento do período de colheita, aumentando a exposição dos frutos às pragas e doenças, o que tem potencial de gerar queda de frutos.

O tamanho médio estimado é de 265 frutos por caixa de 40,8 quilos e frutos menores são esperados nesta safra em função da grande quantidade de laranjas nas árvores que, concorrendo entre si, limitam seus potenciais de crescimento.

Este levantamento do Fundecitrus foi realizado em parceria com Markestrat, Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade de São Paulo (USP) em uma área de mais de 500 mil quilômetros no período de três meses. O produtor rural ajudou muito, com praticamente 100% de adesão e portas abertas ao Fundecitrus – que também contou com o apoio da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Neste ano, o levantamento foi feito com a categorização das plantas adultas em quatro faixas etárias, garantindo maior precisão da estimativa, e com um novo sistema de pagamentos para o ressarcimento da derriça das árvores aos produtores. O estudo mostrou ainda que dos 6.511 hectares de área de pomares abandonados em 2016, 4.534 foram recuperados.

Foi observado ainda o envelhecimento do parque citrícola, com o aumento da idade média dos pomares adultos de 9,8 para 10,3 anos. Nos últimos cinco anos, houve um decréscimo sensível no plantio, com uma diminuição do inventário do que se plantou e erradicou de 2015 para 2017 de quase 18 mil hectares.

O aumento na idade média das plantas é algo que deve merecer atenção para o futuro. É importante que isto recue com o plantio de novas árvores, fator que deve ser estimulado pela condição de preços sustentáveis e por meio de políticas públicas.

Já realizamos pela Secretaria ações de combate ao greening e estamos trabalhando pela implantação definitiva do Sistema de Mitigação de Risco para o cancro cítrico. Também trabalhamos na área de pesquisa na busca de novas cultivares e manejos que possibilitem avançar em produtividade dos laranjais.

Destaque-se o protagonismo do nosso Centro de Citricultura Sylvio Moreira/IAC, em Cordeirópolis, que tem importante papel ao manter um fantástico banco de germoplasma, ao ter iniciativas de pesquisas de vanguarda, ao estabelecer parcerias com os produtores, a indústria e os fabricantes de insumos. Aliás, reitero o convite à toda a cadeia produtiva para uma participação ativa na 39ª Semana da Citricultura, que irá de 5 a 8 de junho em Cordeirópolis.

Sabemos da importância da citricultura paulista, pois nossa produção de laranja representa 74% do total brasileiro. No ano de 2016, o valor da produção de laranja industrial no Estado foi de R$ 4 bilhões. Uma força que merece nosso respeito, apoio e sempre boas notícias como esta.

Boa safra!

Oque você acha disso?

Anunciante

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Africa

Mugabe renuncia à presidência do Zimbábue após 37 anos

Publicado

em

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, no poder havia 37 anos, renunciou ao cargo nesta terça-feira (21), com efeito imediato. Segundo o chefe do Parlamento do país africano, Jacob Mudenda, o mandatário de 93 anos enviou uma carta de demissão que encerra uma semana de impasse político e o governo mais longevo da atualidade.

A notícia da renúncia foi recebida com festa na capital do Zimbábue, Harare, e chega no mesmo dia em que o Parlamento havia iniciado e procedimento para o impeachment de Mugabe, medida que era apoiada pelo seu próprio partido, a União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF).

Acusado de ser muito velho para governar e de tentar passar o poder para sua esposa, a agora ex-primeira-dama Grace Mugabe, o líder nonagenário estava sob custódia das Forças Armadas desde o dia 15 de novembro, quando os militares assumiram o controle do país.

De acordo com o Exército, a manobra tinha como objetivo “afastar e prender criminosos” dentro do governo, em meio a um expurgo promovido por Mugabe contra mais de 100 funcionários públicos de alto escalão acusados de apoiarem o vice-presidente Emmerson Mnangagwa, que havia sido destituído pelo mandatário.

Acredita-se que o próprio Mnangagwa esteja por trás da ação das Forças Armadas, em meio a uma disputa por poder com Grace Mugabe – ele deve se tornar o novo presidente do Zimbábue, já que conta com amplo apoio dentro do Zanu-PF.

“Mugabe sempre disse que deixaria o cargo se o povo pedisse. Agora que o povo falou, ele deve aceitar sua vontade e renunciar”, dissera Mnangagwa antes do anúncio da carta de demissão.

Mugabe governava o Zimbábue desde sua independência do Reino Unido, primeiro como premier (1980-1987) e depois como presidente (1987-2017), tornando-se o mandatário mais longevo do planeta.

Originário de família humilde, o professor Mugabe chegou ao poder com o status de libertador, mas logo criou a imagem de um ditador cruel que seria acusado inúmeras vezes de violações dos direitos humanos.

Oque você acha disso?

Continue Lendo

TELEVISÃO

Espectadores se revoltam com pergunta em quadro do “Caldeirão do Huck”

Após questão sobre um programa de televisão, a internet reclamou e pediu que a participante ganhasse o prêmio

Publicado

em

O programa “Caldeirão do Huck” deste sábado (18/11) mostrou o quadro “Quem Quer Ser Um Milionário” com a participação da aposentada Jaqueline Castro. Com seu jeito simpático, a mulher conquistou a torcida de toda a internet e quase ganhou R$ 1 milhão.

No entanto, a aposentada teve que desistir. Quando estava perto de conquistar a R$ 500 mil, ela enfrentou uma pergunta que causou polêmica nas redes. “Quantos candidatos se enfrentavam em cada episódio do reality show ‘Jogo Duro’, apresentado por Paulo Vilhena em 2009?”

Para os telespectadores, a questão foi uma verdadeira sacanagem com a participante. “Acho que nem Paulo Vilhena lembra do ‘Jogo Duro’, imagina saber quantos eram os participantes”, escreveu um usuário do Twitter. “Vamos fazer perguntas de conhecimento de verdade nesse #QuemQuerSerUmMilionario. Chega de pergunta de novela, programa que só teve oito episódios”, disse outro.
Confira a repercussão:

Oque você acha disso?

Continue Lendo

Luto

Ex-integrante do Dominó morre aos 40 anos em SP

Causa da morte de Ricardo Bueno ainda não foi divulgada

Publicado

em

O cantor e ex-integrante do grupo Dominó Ricardo Bueno morreu nesta quinta-feira (16), no Hospital Municipal Ermelino Matarazzo, em São Paulo, segundo informações do UOL.

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo explicou que o cantor estava desde o dia 7 de novembro internado no hospital Ermelino Matarazzo, em decorrência de um problema odontológico (septicemia causada por um abcesso odontogênico). A causa da morte teria sido uma infecção generalizada.

Ricardo Bueno foi sepultado nesta sexta (17) no cemitério de Vila Formosa II. Ele tinha 40 anos e participou do grupo em 1995.

Com o fim do grupo Dominó, Ricardo continuou fazendo shows em pequenas casas de eventos. De acordo com o UOL, ele formou uma dupla sertaneja Wander & Ricardo em 2000, com o amigo de infância Vander Ávila

Oque você acha disso?

Continue Lendo

Facebook

Anunciante Sou Mais Familia

MAIS LIDAS DO DIA